Com ataques cibernéticos, prejuízo global chegará a casa dos US$ 6 trilhões até 2021, diz estudo



Em maio deste ano cerca de 200 mil usuários em mais de 150 países foram atingidos por ciberataques causados pelo vírus WannaCry. Empresas europeias foram os principais alvos do ataque, sendo Rússia e Ucrânia os países mais afetados. No mês seguinte, novos ataques foram executados. Desta vez, os hackers utilizaram o ransomware Petya, aplicando o golpe onde arquivos virtuais são sequestrados e só podem ser resgatados mediante pagamento em moedas virtuais.

De acordo com a consultora britânica EY (Ernst & Young), o Fórum Econômico Mundial classifica a violação da segurança cibernética como um dos cinco riscos mais graves que o mundo enfrenta hoje. A ameaça está se expandindo em grande escala e até 2021, estima-se que o custo global das violações da cibersegurança atingirá US$ 6 trilhões, o dobro do investido no ano de 2015.

O analista de sistemas da T2S, Diego Mendoza, conta que nenhum dos sistemas da empresa onde atua foi atingido pelo vírus neste tsunami global. Ele aproveita para dar algumas dicas de segurança e relata o que a companhia faz para se resguardar das ameaças cibernéticas:  “A melhor forma de prevenir-se contra os ataques maliciosos é manter os sistemas de proteção atualizados, bem como o próprio sistema operacional utilizado nos servidores e manter sempre cópias de segurança em locais protegidos. Seguindo isto, a T2S mantém seus sistemas atualizados e cópias dos seus principais dados e de seus clientes em locais distintos e seguros, diminuindo consideravelmente as chances de perdas. É possível dizer que a única forma de acesso ao sistema operacional em nosso servidor é com a utilização de uma chave de criptografia que possui a mesma complexidade da senha para liberação dos dados sequestrados pelos ransomwares. Como resultado, em mais de 10 anos de atividade, a empresa nunca registrou nenhum tipo de prejuízo às informações pelas quais é responsável. ”

A prevenção continua a ser o principal pilar da cibersegurança corporativa, no entanto, quando um ataque já ocorreu, a detecção e a resposta tornam-se críticas. A detecção imediata reduz o custo médio de recuperação para menos da metade, de uma média de US$ 1,2 milhão para US$ 456 mil, segundo especialistas da Kaspersky Lab.

Com a proporção que os ataques cibernéticos tomaram em 2017, é importante pensar em um planejamento estratégico que envolva profissionais preparados, parceiros experientes e sistemas de qualidade que possam oferecer integridade e segurança às organizações. Medidas de prevenção não são capazes de livrar as empresas 100% das ameaças, mas apostar nessas medidas, certamente reduzirão seus riscos em grande escala.


Kaspersky Lab – Companhia especializada em segurança cibernética

EY – Organização prestadora de serviços de consultoria e auditoria

T2S – Empresa especializada em desenvolvimento de softwares e soluções de sistemas exclusivos para o setor portuário. Criada em 2003 por professores especializados na área de tecnologia da informação, a organização que já realizou mais de 200 projetos em 50 empresas, garante 100% de segurança da informação nas soluções que oferecem, contando com uma tecnologia superior à de muitos países desenvolvidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove

Indústria Portuária: o que muda em 2020