Como lidar com a alta demanda no mercado de TI?

Imagem
 Diretor da T2S comenta problemática da demanda por profissionais de TI A pandemia acelerou a transformação digital nas empresas. Com isso, a demanda por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) aumentou, e as companhias passaram a lidar com a falta de mão de obra qualificada. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) , em 2019, o número de alunos formados era de 46 mil, enquanto que a demanda estimada para o período de 2019 a 2024 chegaria a aproximadamente 70 mil. Com isso, o estudo estimava um déficit potencial anual de 24 mil profissionais de TI. No entanto, somente para este ano, a expectativa foi de 56 mil novas oportunidades de trabalho criadas, enquanto que em 2020, já considerando a pandemia, a expectativa era de 43 mil novas vagas sem preenchimento. “Esse efeito é como aquela máxima de o mercado se regular entre a oferta e a procura. A demanda de novas vagas, sempre foi maior que a oferta

Contratar um desenvolvedor Full Stack ou Especialistas: O que é mais produtivo?



Tecnologias são atualizadas cada vez mais rápido e, como consequência, os profissionais de TI precisam elevar suas aptidões e conhecimentos com maior frequência. Também como resultado, os requisitos para a contratação de um desenvolvedor ou um serviço são maiores. Neste sentido - somado a necessidade de metodologias ágeis - a busca por profissionais full stack se fortificou nos últimos tempos. Mas, é realmente válido contratar um desenvolvedor full stack ou especialistas?

A resposta para essa dúvida não é simples. Mas, a T2S – com base em seus 15 anos atendendo o setor portuário - vai te ajudar a encontrar o melhor caminho para a sua situação.

Front-end X Back-end X Full Stack

Primeiramente é necessário entender o fluxo básico de desenvolvimento de um projeto:

          1. Análise
          2. Prototipagem
          3. Desenvolvimento
               3.1 O desenvolvedor front-end o transforma o layout em código;
               3.2 O desenvolvedor back-end escreve o código no lado do servidor;
          4. Testes.
          5. Implantação.

Então, o profissional de front-end é especialista no que o usuário têm acesso (parte visual e interação) e o back-end no que acontece no servidor (o código processado no servidor). Enquanto um profissional full stack é responsável por ambas as etapas.

Desenvolvedor full stack ou especialistas: o que é mais produtivo?

De acordo com Caio Jorge, desenvolvedor da T2S, isso depende de vários quesitos como, por exemplo, o tamanho do projeto, o prazo e seu orçamento. Para exemplificar de uma maneira mais clara, vamos separar os prós e contras de cada contratação.


Em outras palavras, a resposta desta questão depende das necessidades de cada projeto. Só para  ilustrar, a T2S listou 3 situações que você pode estar vivendo e a melhor saída para cada uma delas:

  1. Projeto simples: se o escopo do projeto é pequeno, vale a pena contar com um desenvolvedor full stack. Caso contrário, uma equipe completa é recomendada.
  2. Flexibilidade: Seu escopo está fechado ou é possível que as demandas sofram alterações? Se caso sua opção for a segunda, o full stack é capaz de mudar rapidamente de uma área para outra. Mas, se a resposta for a primeira, manter uma equipe de especialistas é indicado.
  3. Orçamento do projeto: se os recursos forem limitados, a contratação de uma pessoa pode ser mais em conta do que a de duas. No entanto, em outros casos, recomenda-se contratar vários membros da equipe por uma questão de qualidade.

Ainda assim, trata-se de uma questão de escolha que deve considerar questões internas e específicas. Esperamos que este artigo tenha te ajudado. A T2S tem profissionais para atender como full stack ou como front-end e back-end separadamente.

Em caso de dúvidas, entre em contato conosco e nós ajudaremos a encontrar a melhor escolha para a sua demanda!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Atualização do Navis N4: o que fazer?