Fraude em licitações e contratos superfaturados no Porto de Santos somam R$ 37 milhões


Após vazamento de um vídeo em 2017, onde um assessor do presidente da CODESP (estatal responsável pela gestão do Porto de Santos) confessa a prática de irregularidades na empresa, o Ministério Público juntamente com a Controladoria Geral da União e a Receita Federal iniciaram um inquérito para investigar fraudes em licitações e superfaturamento de contratos que somam R$ 37 milhões.

Dentre as irregularidades, foram identificadas fraudes nos processos relacionados à aquisição e manutenção de softwares e consultorias que visam o favorecimento de um “cartel” de empresas. “Começamos a desarticular uma das maiores organizações criminosas de valores atuando no Porto de Santos. Há elementos que indicam a atuação no Porto de Santos há muito mais tempo do que os contratos analisados.” diz o procurador-chefe da Procuradoria-Geral da República de São Paulo.

No dia 31/10/2018 foi iniciada a operação chamada “Tritão”, dentre os alvos estão: Jose Alex de Oliva, presidente da CODESP, que foi preso em sua casa pela manhã no Rio de Janeiro; Carlos Antonio de Souza, ex-assessor do presidente; Cleveland Sampaio Lofrano, diretor de mercado da Codesp; Gabriel Nogueira Eufrasio, diretor jurídico da Codesp; Mario Jorge Paladino (empresário); Joabe Francisco Barbosa (empresário) e Joelmir Francisco Barbosa (empresário). Além disso, mais vinte mandados de busca e apreensão foram emitidos nas cidades de Santos, São Paulo, Guarujá, Barueri, Rio de Janeiro, Fortaleza e Brasília.



Gustavo Modesto Costa é analista comercial na T2S - empresa de desenvolvimento de software para o setor portuário - bacharel em Administração de Empresas com ênfase em Marketing.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fique atento às mudanças do ADE 02

Port Community Systems será implementado no Brasil

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove