Como lidar com a alta demanda no mercado de TI?

Imagem
 Diretor da T2S comenta problemática da demanda por profissionais de TI A pandemia acelerou a transformação digital nas empresas. Com isso, a demanda por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) aumentou, e as companhias passaram a lidar com a falta de mão de obra qualificada. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) , em 2019, o número de alunos formados era de 46 mil, enquanto que a demanda estimada para o período de 2019 a 2024 chegaria a aproximadamente 70 mil. Com isso, o estudo estimava um déficit potencial anual de 24 mil profissionais de TI. No entanto, somente para este ano, a expectativa foi de 56 mil novas oportunidades de trabalho criadas, enquanto que em 2020, já considerando a pandemia, a expectativa era de 43 mil novas vagas sem preenchimento. “Esse efeito é como aquela máxima de o mercado se regular entre a oferta e a procura. A demanda de novas vagas, sempre foi maior que a oferta

Conteinerização de grãos: uma solução viável para portos brasileiros



Utilizar contêineres para o transporte de grãos ainda não é uma prática muito popular no Brasil e nem no exterior. Mas, essa tem sido uma solução para terminais que buscam diversificar suas atuações e diminuir seu o impacto ambiental e tem dado bons resultados. Isso significa que a conteinerização de grãos pode se tornar uma tendência nos próximos anos, ou seja, operadores portuários precisam saber do que se trata e como essa proposta pode beneficiar seus funcionamentos.

Por esse motivo, o assunto foi pauta de um painel na TOC America 2018. Na ocasião Garry Pinder, diretor geral da Intermodal Solutions Group (ISG) – empresa responsável pela implementação deste modelo de operação em mais de 20 terminais no mundo - falou sobre o funcionamento e alguns dos benefícios do sistema. 

Em resumo, a ideia da conteinerização de grãos é que um terminal desenhado para operar contêineres possa trabalhar com operações também a granel. Mas sem a necessidade de fazer grandes ajustes ou separar um espaço do pátio para essa finalidade. Já que a T2S - empresa especializada em soluções de software para o setor portuário – esteve representada no evento por seus diretores, Ricardo Pupo Larguesa e Rodrigo Lopes Salgado, o Tecnologia Portuária vai te explicar detalhadamente como essa solução funciona. 

Conteinerização de grãos 

Para que a conteinerização de grãos aconteça são utilizados adaptadores nos guindastes do cais, que se tornam tombadores para o contêiner. Além disso, o sistema utiliza um contêiner especial (um caminhão com contêiner), que é abastecido de forma a evitar sujeira e poluição de solo. 


No total, mais de 20 terminais utilizam essa solução em seus funcionamentos. A lista conta com, entre outros, o Port Kembla e Adelaide (Austrália) e também terminais no Peru e Chile. Em todos eles observou-se que uma pequena queda de produtividade pode ocorrer, mas os ganhos em questões ambientes (já que não há poluição de solo) e também os baixos custos de implantação, são garantidos e justificam a mudança. 

É possível utilizar a conteinerização de grãos para materiais como, por exemplo: 
  • Grãos em geral 
  • Lascas de madeira 
  • Carvão 
  • Minério de ferro 
  • Areias Minerais 
  • Concentrado De Cobre 
Em outros casos o sistema precisa passar por adaptações a serem estudadas previamente. 

Conteinerização de grãos no Brasil 

Tendo em vista o funcionamento da conteinerização de grãos é possível prever que ela traria benefícios aos terminais brasileiros. Para exemplificar, vamos falar sobre o Porto de Santos, no Litoral de São Paulo. 

Durante o período de safra de grãos como a soja, por exemplo, a região próxima ao porto sofre com um problema de insalubridade por conta do levantamento de poeira causado pelo transporte feito através de esteiras. Com o sistema essa questão seria totalmente resolvida. 

Além disso, a solução também ajudaria terminais como o Ecoporto, já que atualmente não possuí operação de navio ativas e poderia utilizar o espaço para transporte de granel sólido conteinerizado. 

Adaptação simples 

Se acaso terminais portuários brasileiros se interessarem pela tecnologia, ainda terão uma boa notícia: a adaptação é simples e demanda de baixo orçamento. 

Basicamente a aquisição de alguns equipamentos é necessária, assim como pequenas adaptações nos processos operacionais e no sistema interno precisam ser feitas. Para tal é possível contar com a expertise da T2S, empresa de tecnologia que há 15 anos atua exclusivamente no atendimento do setor portuário.

* Este artigo foi co-escrito por Ricardo Pupo Larguesa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Atualização do Navis N4: o que fazer?