Como lidar com a alta demanda no mercado de TI?

Imagem
 Diretor da T2S comenta problemática da demanda por profissionais de TI A pandemia acelerou a transformação digital nas empresas. Com isso, a demanda por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) aumentou, e as companhias passaram a lidar com a falta de mão de obra qualificada. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) , em 2019, o número de alunos formados era de 46 mil, enquanto que a demanda estimada para o período de 2019 a 2024 chegaria a aproximadamente 70 mil. Com isso, o estudo estimava um déficit potencial anual de 24 mil profissionais de TI. No entanto, somente para este ano, a expectativa foi de 56 mil novas oportunidades de trabalho criadas, enquanto que em 2020, já considerando a pandemia, a expectativa era de 43 mil novas vagas sem preenchimento. “Esse efeito é como aquela máxima de o mercado se regular entre a oferta e a procura. A demanda de novas vagas, sempre foi maior que a oferta

Port Community Systems será implementado no Brasil

Iniciativa pretende agilizar processos de comércio exterior




Portos brasileiros irão implantar o Port Community Systems (PCS), um sistema tecnológico para integração de dados do comércio marítimo.

O Porto de Santos será o primeiro no Brasil a adotar a tecnologia, mas os portos do Rio de Janeiro, Suape e Paranaguá também receberão o projeto, que também está sendo implantado na Índia, Argentina e Chile.

A proposta é que o sistema facilite o acesso aos dados e assim, simplifique e agilize procedimentos do comércio exterior.


Leia também: 5 tecnologias que aceleram os processos logísticos


O projeto


A iniciativa é viabilizada pelo Prosperity Fund, fundo de cooperação britânico para países em desenvolvimento.

Para a implementação no Brasil o fundo contratou um consórcio de empresas e estima-se que o investimento seja em torno de R$ 100 milhões, que inclui a construção da plataforma que reunirá os programas já existentes e utilizados pelas autoridades portuárias.

Conforme os responsáveis do Brasil, o primeiro passo da implementação do sistema será o mapeamento de processos e sistemas existentes nos quatro portos selecionados para verificar as principais necessidades e identificar as oportunidades para um Port Community System no País.


Como funciona

O sistema promete diminuir o tempo de importação e exportação de produtos. Logo, a projeção é que a importação seja reduzida em dois dias e a exportação para um.

Além disso, a base de dados nascerá já numa base de programação integrável por webservices, com os sistemas das autoridades e desenvolvimento de uma API para integrar os sistemas dos clientes.

Sendo assim, a plataforma permitirá que pequenas e médias empresas tenham maior acesso ao mercado marítimo tanto quanto as grandes companhias.


Leia também: Sistemas para o setor portuário: 3 dicas para um desenvolvimento de sucesso

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fique atento às mudanças do ADE 02

Atualização do Navis N4: o que fazer?