RPA: como potencializar resultados com automação

Veja como essa tecnologia agiliza as rotinas operacionais dos terminais portuários




A transformação digital vem gerando grandes mudanças nos negócios, o que faz com que as organizações tenham como foco agilizar as rotinas de seus colaboradores.

E é neste cenário que a RPA - Robotic Process Automation, surge como uma inovação tecnológica para automatizar processos que antes só poderiam ser feitos com a intervenção humana.

Desse modo, tarefas repetitivas passam a ser realizadas por sistemas e os funcionários que se dedicavam a elas, destinam seu tempo a atividades de mais impacto no negócio.

Conheça neste artigo um pouco mais dessa tecnologia, seus benefícios e sua aplicação no setor portuário.

O que é o RPA

RPA é a tecnologia baseada na automação de processos por meio de softwares (robôs), que imitam o trabalho humano nos computadores. 

Seu objetivo é automatizar tarefas repetitivas e baseadas em regras. Dessa maneira, empresas podem configurar um sistema para processar transações, manipular dados e se comunicar com outras aplicações.

O RPA possui uma interface de construção de tarefas intuitivas onde consegue definir a sequência de cliques e comandos que uma pessoa utilizaria ao manipular o software que está sendo automatizado.

Por exemplo, em vez de um funcionário fazer login em um sistema onde em alguns cliques consegue emitir uma folha de pagamento, o programa de software automatizado poderá fazê-lo.

Diferenças entre RPA e Inteligência Artificial

É comum que confundam o RPA com Machine Learning (ML) e Inteligência Artificial (IA), uma vez que o termo “automação” também remete à essas tecnologias. Mas, embora estejam associados e até possam atuar em conjunto, o RPA é governado por lógicas de negócios e entradas estruturadas.

Ou seja, utilizando o mesmo exemplo da folha de pagamento, caso o layout da tela fosse alterado ou algum dado aparecesse em um lugar diferente de onde o RPA foi configurado para procurá-lo, o software poderá não funcionar e talvez precise ser atualizado. A Inteligência Artificial, por sua vez, provavelmente seria capaz de encontrar o dado sem precisar de atualizações no sistema.

Os benefícios da RPA

Uma vez que um software robô foi criado com a tecnologia RPA, ele será capaz de operar, manipular dados, iniciar novas ações e se comunicar com outros sistemas de maneira autônoma.

Sendo assim, oferece às empresas a  capacidade de reduzir custos com mão de obra e erros humanos, além de apresentar um ROI justificável, pela redução de colaboradores que executam tarefas improdutivas, de forma que fiquem disponíveis para tarefas produtivas.

RPA no setor portuário

Como é uma ferramenta avançada, que executa tarefas de maneira inteligente, o RPA está sendo empregado pela indústria para gerar escalabilidade no negócio e redução de custos.

As opções de uso podem ser desde simples envios de e-mails automáticos, até as mais complexas, como a criação de milhares de bots, cada um para uma tarefa específica.

No setor portuário, por exemplo, há uma série de demandas decorrentes da legislação vigente e das regras de negócio estabelecidas para a atuação das empresas, que são repetitivas, mas que  que podem facilmente ser automatizadas por meio do RPA.

Um exemplo de uso na indústria portuária, é Declaração Única de Exportação (DU-eE), um documento eletrônico que auxilia o despacho aduaneiro de exportação.

A T2S é especializada em soluções de software para o setor portuário e conta com diversos projetos de automação RPA, inclusive tem em seu portfólio um projeto de automação da DU-e, feita para um dos maiores terminais portuários do Brasil.




Por meio de uma customização do Navis N4, o TOS (Terminal Operating System), utilizado neste Terminal, o software envia automaticamente à Receita Federal Brasileira, por meio da API do Portal Único de Comércio Exterior todas as informações necessárias para a liberação da carga de exportação. 

A automatização poupou tempo dos colaboradores do Tecon e contribuiu para aumentar a produtividade da equipe.

Outro case que a T2S desenvolveu recentemente para outro dos maiores terminais portuários brasileiros é um “robô desconsolidador”, que automatiza a desconsolidação de cargas por meio de uma aplicação que executa tarefas em tempo determinado, sem a necessidade de qualquer interação do usuário.

Apesar de comum, este processo logístico não é ágil, especialmente se for executado de forma manual.

De acordo com Thalis Meurer, analista de sistemas responsável pelo projeto, ainda na fase de testes, a aplicação executou 40 desconsolidações em 15 segundos. Quando o processo era feito manualmente, a mesma quantidade de desconsolidações demorava um dia inteiro de trabalho dos colaboradores.


Agora que você conhece um pouco mais sobre o RPA e seus benefícios para os negócios na área portuária, considera implementar essa tecnologia na sua empresa?


Entre em contato e saiba como podemos ajudar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria Portuária: o que muda em 2020

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove