Como automatizar a DU-E

Imagem
Automatização garante agilidade e evita inconsistências   A DU-E (Declaração Única de Exportação) foi criada para trazer melhorias à atual legislação brasileira ao desburocratizar o processo logístico das exportações. Atender a essa exigência demanda muito tempo e atenção dos terminais, que buscam automatizar o processo. Essa automatização é possível uma vez que o governo já disponibiliza toda a documentação e estrutura necessárias para que as empresas desenvolvam a integração com o Siscomex . As empresas que buscam por essa automatização, podem contar com o serviço da T2S . Com ele é possível automatizar as seguintes parte dos processos:  Recepção por Contêiner Recepção por Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Consulta de Contêineres Consulta DU-E, RUC e RUC Master Por que automatizar a DU-E A DU-E exige o preenchimento de 36 campos e algumas informações da Nota Fiscal de Exportação (NF-E). Em geral, exportações com poucos itens podem ser feitas com facilidade, porém, em processos com mais

BTP libera mais de 200 processos após integração com Pix

  Total representa quase 100 horas de economia para clientes



A Brasil Terminal Portuário (BTP) uniu o PIX às operações de importação e em três meses após o início da operação foram liberados 200 processos, o que representa uma economia de quase 100 horas para os clientes da empresa.

A T2S Tecnologia, Soluções e Sistemas foi parceira neste projeto pioneiro, ao desenvolver a integração que automatizou a liberação de cargas e agilizou os processos dos parceiros comerciais da companhia.


O projeto

O projeto consiste na intercomunicação da BTP com o Itaú (banco utilizado pela empresa para recebimento dos pagamentos), por meio de uma interface para incluir a função de pagamentos por Pix no Portal Financeiro.

Essa integração permite que os clientes da empresa realizem transações financeiras em quaisquer dias e horários, sem a necessidade do atendimento comercial e garante a liberação da carga automaticamente.


Como funciona

O Portal Financeiro é um módulo do Portal Smart - portal web também desenvolvido pela T2S - onde os clientes do Terminal podem simular todo o custo da operação de importação com a BTP. 

Entre outras funções, ele permite gerar o demonstrativo, fazer o upload do comprovante de pagamento e acessar a nota fiscal do serviço.

Ou seja, por meio do Portal, o usuário consegue, de forma independente e rápida, fazer o cálculo de todos os seus serviços vigentes, realizar o pagamento, fazer o upload do comprovante para que, assim que recebido pelo setor financeiro da BTP,  possa realizar o agendamento da retirada do contêiner.

Somente com a implantação do Portal Financeiro, já foi possível à BTP reduzir o tempo de liberação de carga de 2 horas para 15 minutos, o que representa um ganho de eficiência de aproximadamente 90%.

Ao integrar o Pix às operações de importação, a T2S incluiu no Portal Financeiro a opção de pagamento por meio do QR code, que ocorre através de uma integração feita com a API do banco Itaú.

O diferencial desse método de pagamento é que a T2S desenvolveu uma rotina no Portal Smart que automatiza a liberação da carga a partir da validação do pagamento.

Ou seja, sem a necessidade do upload do comprovante para esta confirmação, como ocorre no processo tradicional, com meios de pagamento por transferência (TED ou DOC).


Resultados da integração com o Pix

Sendo assim, ao utilizar o Pix, o tempo de liberação de carga foi mais uma vez reduzido, de 15 para 2 minutos, o que representa um ganho de produtividade de quase 90%.

Após três meses da solução em uso,  a BTP liberou mais de 200 processos e gerou uma economia de 93 horas para seus clientes.

Mas, além do ganho de tempo e produtividade, a integração com o Pix representa ainda mais independência ao cliente do Terminal, uma vez que é possível realizar as transações a qualquer momento, sem depender necessariamente do horário comercial.


“Quando o cliente efetua o pagamento pelo Pix, é só aguardar a liberação acontecer”, explica Marcio Soares, Billing Supervisor da BTP.


“Eu gosto muito de falar isso, porque não é o nosso tempo de esforço, embora ele também exista, mas porque estamos falando de 93 horas de economia - até agora, em apenas 3 meses - para o cliente. Isso, além da flexibilidade que a solução oferece”, completa.


Para Soares, os resultados ainda são maiores, considerando a facilidade com que os clientes conseguem manusear a plataforma. “Além de a gente prover essa tecnologia, conseguimos prover também uma boa experiência para o usuário, uma boa interface para que ele consiga fazer tudo”.



Sobre a BTP

Em operação desde 2013, a BTP – terminal privado de uso público – se consolidou como o maior terminal de contêineres da América do Sul. Localizada no Porto de Santos, a Empresa foi responsável pela remediação de um dos maiores passivos ambientais do País e, atualmente, possui capacidade de movimentação anual de 1,5 milhão de TEUs. Com 1.108 metros de cais, preparado para receber três navios da new panamax class simultaneamente, o terminal atende embarcações com rotas para todos os continentes, além de serviços de cabotagem e feeder. Joint-venture entre a APM Terminals e a TIL, a BTP detém as certificações internacionais OEA (Operador Econômico Autorizado), ISO 9001:2015 (Qualidade), ISO 14001:2015 (Meio Ambiente) e ISO 45001:2018 (Segurança e Saúde Ocupacional).


Mais informações no portal www.btp.com.br

E nas redes sociais oficiais: @brasilterminalportuario


Sobre a T2S

A T2S, referência no desenvolvimento de soluções customizadas para os maiores terminais portuários da América Latina.

Pautada no desenvolvimento sob demanda, se consolidou como especialista na criação de soluções customizadas para atender às necessidades específicas de seus clientes. 

Sua equipe carrega a experiência de diversos cases de sucesso e o conhecimento aprofundado das regras de negócio do setor portuário.

Já são mais de 500 mil horas de programação e 100% de projetos entregues para mais de 140 empresas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove