Como lidar com a alta demanda no mercado de TI?

Imagem
 Diretor da T2S comenta problemática da demanda por profissionais de TI A pandemia acelerou a transformação digital nas empresas. Com isso, a demanda por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) aumentou, e as companhias passaram a lidar com a falta de mão de obra qualificada. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) , em 2019, o número de alunos formados era de 46 mil, enquanto que a demanda estimada para o período de 2019 a 2024 chegaria a aproximadamente 70 mil. Com isso, o estudo estimava um déficit potencial anual de 24 mil profissionais de TI. No entanto, somente para este ano, a expectativa foi de 56 mil novas oportunidades de trabalho criadas, enquanto que em 2020, já considerando a pandemia, a expectativa era de 43 mil novas vagas sem preenchimento. “Esse efeito é como aquela máxima de o mercado se regular entre a oferta e a procura. A demanda de novas vagas, sempre foi maior que a oferta

Coana anuncia nova versão da API-Recintos em ambiente de validação

Previsão é que sistema seja publicado nesta sexta-feira (16)




Será publicada uma nova versão da Application Programming Interface (API-Recintos) em ambiente de validação, contemplando a atualização do webservice para a plataforma Integra Comex do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

A notícia foi publicada pela Coana, por meio do Portal Único de Comércio Exterior (Siscomex) e informa que o sistema será publicado nesta sexta-feira (16).

Segundo a notícia, a nova versão foi necessária para adequá-la ao modelo da plataforma Integra Comex, onde as despesas da operacionalização dos sistemas informatizados são custeadas pelos usuários.

Com a atualização, a Receita Federal do Brasil orienta  que os administradores de recintos alfandegados realizem os testes e ajustes necessários em seus sistemas, para se integrarem à solução o quanto antes.


Leia mais: Solução para o novo ADE 02


Sobre a API-Recintos (novo ADE 02)


A API-recintos é um sistema que permitirá aos recintos alfandegados, depositários e operadores portuários enviarem à RFB informações sobre a entrada e saída de pessoas e veículos e movimentação de carga e armazenamento de mercadorias ocorridas em locais ou recintos sob a administração destes intermediários.

No Portal Siscomex ela irá simplificar o cumprimento de diversas obrigações, como a coleta de dados e relatórios que devem ser disponibilizados pelos sistemas informatizados de controle de cada recinto, assim como  a infraestrutura e os equipamentos locais requeridos para o controle aduaneiro das operações. 

Além disso, fortalecerá o gerenciamento de riscos dos processos aduaneiros, proporcionando mais agilidade nas exportações e importações e reduzindo os custos para os administradores privados.


Leia mais: Como integrar com a API-Recintos do Portal Siscomex




Como se adequar à nova API-Recintos?

Visando auxiliar os diversos recintos do Brasil a atender às exigências da Receita Federal Brasileira (RFB), a T2S desenvolveu uma solução completa, ágil e prática para a integração com o Portal Único, por meio da API-Recintos.

O T2S-Recintos é um sistema web responsivo que recebe e envia os registros de eventos para o Portal Único por meio da API disponibilizada pela RFB, proporcionando monitoramento e contingenciamento.

Capaz de atender a qualquer recinto alfandegado no Brasil, esta solução única permite a adequação ágil e precisa às mudanças da Receita Federal.

Com o T2S-Recintos a adequação à norma será muito mais fácil, uma vez que o sistema fará toda a comunicação com a RFB. Ou seja, o sistema coleta os dados das operações dos recintos e envia para a API-Recintos. Além disso, ele também permite o acompanhamento em tempo real da integração.

Garanta a adequação à obrigatoriedade da API-Recintos! Fale com nosso time comercial!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Atualização do Navis N4: o que fazer?