Porto de Santos será ampliado após aprovação da nova poligonal

 Área seca quase duplicará de tamanho, passando de 8 km² para 15,5 km²

Harry Walendy Netto


O Porto de Santos já é o maior complexo portuário da América Latina e agora ficará ainda maior. Isso porque o Ministério da Infraestrutura (Minfra) autorizou a ampliação dos limites jurisdicionais do Porto, após a publicação da Portaria nº 66 no Diário Oficial da União (DOU) no último dia 19.


Com isso, a expansão da área seca, administrada pela Santos Port Authority (SPA) quase duplicará de tamanho, passando de 8 km² para 15,5 km². A expansão será realizada na parte continental de Santos, em direção ao fundo do canal de navegação, composta principalmente pela Ilha de Bagres e pelo Largo do Caneu. 
Além da área seca, a poligonal do porto santista inclui áreas marítimas de fundo, o canal de navegação e suas bacias de evolução (no estuário) e a Usina Hidrelétrica de Itatinga. Essa ampliação fará com que esteja em cinco municípios: Santos, Guarujá, Cubatão, Bertioga e Biritiba-Mirim (área de preservação ambiental da Serra do Mar, anexa à Usina de Itatinga).
A definição da nova poligonal, perímetro administrativo que envolve acessos, instalações, terminais arrendados e áreas de expansão do porto público, atualiza o traçado em vigor desde 2020.
Conforme informações da SPA, a ampliação agregará valor à desestatização do porto santista, programada para ocorrer no segundo semestre, com a inclusão de áreas greenfield para o desenvolvimento de novos empreendimentos. 
A autoridade portuária também acredita que a nova poligonal abrirá oportunidades de investimentos em projetos como porto-indústria e novos terminais, o que traz um potencial de crescimento econômico para a região. 
A definição da ocupação das áreas será feita por meio do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ).

Divulgação/SPA


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atualização do Navis N4: o que fazer?

Data de obrigatoriedade da API Módulo-Recintos fica indefinida

Guia eletrônica de movimentação de contêineres: como a informatização contribui para o transporte de cargas