Após recorde em 2021, portos brasileiros devem crescer 2,4% neste ano

 Segundo a Antaq, setor movimentou 1,21 bilhão de toneladas ano passado

Harry Walendy Netto


Após o recorde alcançado em 2021, a expectativa é que os portos brasileiros tenham um crescimento de 2,4% neste ano em comparação ao ano passado. A previsão foi divulgada no Anuário Estatístico da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), lançado na quarta-feira, dia 2.


Conforme o levantamento do órgão federal, a movimentação alcançará a marca de 1,239 bilhão de toneladas em relação a 2021, podendo superar 1,4 bilhão de toneladas em 2026. 


As projeções positivas acontecem depois de o setor portuário brasileiro - que inclui portos públicos e terminais privados - movimentar 1,21 bilhão de toneladas em 2021. Esse número representa um crescimento de 4,8% em relação a 2020, de acordo com balanço realizado pela Antaq.


Movimentação

Entre os perfis de carga, houve melhora na movimentação de granel sólido, granel líquido, de contêineres e de carga geral. O destaque fica para os contêineres, que tiveram alta de 11% em relação ao ano anterior. Foram 133,1 milhões de toneladas.

Das principais cargas movimentadas, o minério de ferro continua sendo o maior destaque em quantidade. Foram 370,4 milhões de toneladas movimentadas em 2021, elevação de 4% se comparado a 2020 (356,1 milhões de toneladas).

Os estudos da Antaq mostram ainda que a China continua sendo o principal destino da exportação brasileira, com 51% das cargas. Nas importações, os principais parceiros comerciais são os Estados Unidos (24%), China (11%), Rússia (7%) e Argentina (6%). No que diz respeito a produtos transportados, petróleo e seus derivados somam 65% do volume, seguidos de contêineres (13%). Ambos registraram alta de mais de 15% no período.

Já na navegação interior, os principais produtos movimentados pelos rios brasileiros foram soja e milho.

Dos portos públicos, o Porto de Santos se manteve na liderança com 113,3 milhões de toneladas no ano passado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Data de obrigatoriedade da API Módulo-Recintos fica indefinida

Atualização do Navis N4: o que fazer?

Importância da análise de aderência de sistemas