Requisitos de software: 5 dicas para serem simples e eficientes



Uma das principais causas do insucesso de um projeto de software é a falha no levantamento dos requisitos. 

Por isso, o momento de defini-los é tão importante. Mas ainda assim é comum que existam dúvidas a respeito dessa etapa do desenvolvimento de um software. Caso você esteja vivendo isso neste momento, a T2S – empresa especialista em soluções de software - vai te ajudar. Então, leia este artigo com atenção. 

Afinal, a empresa vai compartilhar 5 dicas para requisitos de software mais simples e eficientes.

Como elaborar requisitos de software simples e eficientes
Primeiramente, é necessário saber do que se trata um requisito de software. 

Basicamente estamos falando dos problemas que precisam ser resolvidos por um sistema. Então, os requisitos são as tarefas que um software precisa executar. 

Parece simples, mas pode não ser tão fácil de documentá-los. Isso porque, entre os principais problemas estão questões como, por exemplo, requisitos mal organizados, mal expressos ou desnecessários. Além de requisitos escritos sem objetividade.

Com base em nossa expertise, listamos 5 dicas que vão te ajudar:
  1. Converse com quem vai utilizar o sistema, ninguém melhor do que o usuário para explicar o que é preciso para uma boa navegação;
  2. Inicialmente foque nos requisitos funcionais, ou seja, entenda o que o sistema precisa fazer e não como vai ser feito. Na T2S, por exemplo, usa-se a metodologia do DesignThinking, em que o processo segue exatamente essa lógica: primeiro a observação, em seguida experimentação, análise documental e entrevistas. Assim, entende-se o que o sistema precisa e depois o que cada coisa significa. Então, só para ilustrar: um sistema precisa de um planer e sua função é o planejamento de embarque de um navio. Primeiro você irá pensar no macro e entender a funcionalidade das coisas.
  3. Em seguida, com tudo esclarecido, os requisitos serão detalhados. É o momento de se perguntar o que cada coisa significa e qual a melhor maneira de fazê-las.
  4. Volte a falar com quem vai usar o sistema para, dessa vez, validar se é realmente isso. Afinal, é melhor ter uma alteração no começo do projeto do que depois que tudo estiver feito.
  5. Tenha isso documentado, afinal sistemas precisam ser atualizados e, como consequência, os requisitos também mudam. É importante ter um documento que vai te ajudar na gestão de mudança de requisitos para evitar dores de cabeça no futuro!

Qualidade da escrita

Também é importante pensar na qualidade de escrita dos requisitos. Neste sentido, ele deve especificar algo que é necessário, verificável e atingível. Com isso em mente, é necessário tomar cuidado na escrita, ou seja, não cometer erros como, por exemplo: 
  • Usar pressupostos incorretos; 
  • Descrever operações em vez de escrever requisitos;
  • Estruturar a frase incorretamente ou utilizar termos gramaticais de maneira errada.
Além disso, tome cuidado com o excesso de especificação. Já que de acordo com o departamento de defesa americano, esse é um dos fatores determinantes para o não cumprimento de seus orçamentos.

Por fim, bons requisitos resultam no desenvolvimento de um sistema mais claro, coeso e com maior possibilidade de alcançar a satisfação. Então, reserve um tempo para essa etapa. E, principalmente, lembre-se de ouvir quem vai usar o sistema com atenção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove

Indústria Portuária: o que muda em 2020