Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2019

Indústria Portuária: o que muda em 2020

Imagem
Novidades prometem melhorias de eficiência e resultados Com a virada do ano batendo à porta as empresas do setor portuário ficam atentas às mudanças, afinal, as leis, tendências e procedimentos novos impactam diretamente no quanto precisarão investir e quais resultados conseguirão alcançar. Pensando nisso, viemos relembrar notícias importantes de 2019 que com certeza irão afetar o setor e as suas operações em 2020. Acompanhe: ADE 02 Com certeza uma das mais avisadas e aguardadas mudanças. Desde março a Coana vem anunciando que pretende modificar a maneira como os recintos devem disponibilizar as consultas sobre suas movimentações. Na última atualização a RFB anunciou que já está desenvolvendo a API “Módulo Recinto”   e que tem previsão de concluir 11 eventos iniciais até março de 2020. Se você ainda não se preparou para atender ao Ato, a hora de pedir sua proposta é agora . LGPD Essa é outra novidade que não dá para fugir. No segundo semestre do ano o govern

Port Community Systems será implementado no Brasil

Imagem
Iniciativa pretende agilizar processos de comércio exterior Portos brasileiros irão implantar o Port Community Systems (PCS), um sistema tecnológico para integração de dados do comércio marítimo. O Porto de Santos será o primeiro no Brasil a adotar a tecnologia, mas os portos do Rio de Janeiro, Suape e Paranaguá também receberão o projeto, que também está sendo implantado na Índia, Argentina e Chile. A proposta é que o sistema facilite o acesso aos dados e assim, simplifique e agilize procedimentos do comércio exterior. Leia também: 5 tecnologias que aceleram os processos logísticos O projeto A iniciativa é viabilizada pelo Prosperity Fund, fundo de cooperação britânico para países em desenvolvimento. Para a implementação no Brasil o fundo contratou um consórcio de empresas e estima-se que o investimento seja em torno de R$ 100 milhões, que inclui a construção da plataforma que reunirá os programas já existentes e utilizados pelas autoridades portuárias. Confo

Porto Hack premia soluções para o cais santista

Imagem
T2S foi patrocinadora do evento e avaliou os códigos das equipes Neste final de semana a T2S prestigiou o hackathon Porto Hack Santos, realizado em comemoração aos 30 anos da ABTRA (Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados. Além de patrocinadora do evento, seus diretores Ricardo Pupo Larguesa e Rodrigo Lopes Salgado foram jurados técnicos da competição e avaliaram os códigos das soluções desenvolvidas pelas equipes. Larguesa considera que “foi um evento excelente. A premiação relevante atraiu muitos profissionais e garantiu a formação de equipes qualificadas.” Salgado considera que “a maior premiação de todos os tempos para hackathons realizados no Brasil fez com que houvessem mais de 600 inscritos num processo seletivo que definiu os melhores 60 para participarem do evento". "Acredito que isto ajudou muito para que as soluções entregues fossem de altíssimo nível!”, complementa. Diretores da T2S foram jurados técnicos da competição

RPA: como potencializar resultados com automação

Imagem
Veja como essa tecnologia agiliza as rotinas operacionais dos terminais portuários A transformação digital vem gerando grandes mudanças nos negócios, o que faz com que as organizações tenham como foco agilizar as rotinas de seus colaboradores. E é neste cenário que a RPA - Robotic Process Automation , surge como uma inovação tecnológica para automatizar processos que antes só poderiam ser feitos com a intervenção humana. Desse modo, tarefas repetitivas passam a ser realizadas por sistemas e os funcionários que se dedicavam a elas, destinam seu tempo a atividades de mais impacto no negócio. Conheça neste artigo um pouco mais dessa tecnologia, seus benefícios e sua aplicação no setor portuário. O que é o RPA RPA é a tecnologia baseada na automação de processos por meio de softwares (robôs), que imitam o trabalho humano nos computadores.  Seu objetivo é automatizar tarefas repetitivas e baseadas em regras. Dessa maneira, empresas podem configurar um sis