Como automatizar a DU-E

Imagem
Automatização garante agilidade e evita inconsistências   A DU-E (Declaração Única de Exportação) foi criada para trazer melhorias à atual legislação brasileira ao desburocratizar o processo logístico das exportações. Atender a essa exigência demanda muito tempo e atenção dos terminais, que buscam automatizar o processo. Essa automatização é possível uma vez que o governo já disponibiliza toda a documentação e estrutura necessárias para que as empresas desenvolvam a integração com o Siscomex . As empresas que buscam por essa automatização, podem contar com o serviço da T2S . Com ele é possível automatizar as seguintes parte dos processos:  Recepção por Contêiner Recepção por Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Consulta de Contêineres Consulta DU-E, RUC e RUC Master Por que automatizar a DU-E A DU-E exige o preenchimento de 36 campos e algumas informações da Nota Fiscal de Exportação (NF-E). Em geral, exportações com poucos itens podem ser feitas com facilidade, porém, em processos com mais

Com serviço de outsourcing, T2S garante agilidade e escala na manutenção de sistemas



O conceito de terceirização (ou outsourcing, do inglês) se popularizou na Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos precisavam concentrar-se na produção de armamentos e passaram então a delegar atividades secundárias a outros prestadores de serviço. A partir da década de 80 o conceito passou a ser difundido, trazendo uma nova visão de foco no mundo corporativo.

Dentre as vantagens da terceirização, destacam-se:
  • Racionalização de processos e atividades;
  • Redução de custos de mão-de-obra;
  • Redução de quadro de funcionários e níveis hierárquicos;
  • Potencialização da competitividade entre empresas fornecedoras;
  • Ganhos efetivos em especialização e escala.
  • Na prática, é possível fazer uma gestão de eficiência baseada em atendimento de demandas e não em alocação de pessoal, focando em indicadores que tragam resultados efetivos para a organização.
Na T2S – empresa especializada em soluções de software para o setor portuário –  esse serviço é oferecido por meio de um contrato de volume de horas mensais.

Nesta categoria de serviço, os clientes compram uma quantidade de horas de trabalho para atividades de suporte, manutenção ou mesmo desenvolvimento de produtos de tecnologias específicas. As demandas são gerenciadas por uma plataforma online, onde pode-se analisar o esforço do trabalho empregado em cada demanda e assim medir a efetividade do trabalho. A alocação é remota e em um ambiente de desenvolvimento da própria contratante por meio de uma VPN.

“O cliente faz a solicitação e algum especialista da nossa equipe cuida do processo. Quando são necessárias horas excedentes, entramos em contato previamente para solicitar autorização e dar continuidade ao trabalho”, explica Ricardo Pupo, diretor da T2S.

Atualmente a T2S realiza este serviço nos principais terminais do Brasil, atendendo demandas nas populares tecnologias Java e .NET, bem como demandas mais específicas como Android (Mobile), Navis N4 Externalization, EDI e integrações com SAP e TOTVS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove