Como automatizar a DU-E

Imagem
Automatização garante agilidade e evita inconsistências   A DU-E (Declaração Única de Exportação) foi criada para trazer melhorias à atual legislação brasileira ao desburocratizar o processo logístico das exportações. Atender a essa exigência demanda muito tempo e atenção dos terminais, que buscam automatizar o processo. Essa automatização é possível uma vez que o governo já disponibiliza toda a documentação e estrutura necessárias para que as empresas desenvolvam a integração com o Siscomex . As empresas que buscam por essa automatização, podem contar com o serviço da T2S . Com ele é possível automatizar as seguintes parte dos processos:  Recepção por Contêiner Recepção por Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Consulta de Contêineres Consulta DU-E, RUC e RUC Master Por que automatizar a DU-E A DU-E exige o preenchimento de 36 campos e algumas informações da Nota Fiscal de Exportação (NF-E). Em geral, exportações com poucos itens podem ser feitas com facilidade, porém, em processos com mais

O Sistema de Desempenho da Navegação (SDN) da ANTAQ e seus benefícios para a Logística Portuária


Neste mês de outubro de 2018 a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) apresentou o seu Sistema de Desempenho da Navegação (SDN). A apresentação aconteceu na quinta, dia 4, em Brasília pelo Gerente de Regulação da Navegação Marítma, Rodrigo Trajano. o SDN é um sistema informatizado que tem por finalidade receber, pela internet, informações técnicas e operacionais sobre frotas das empresas brasileiras de navegação, suas atividades operacionais e preços.

O sistema foi submetido a uma fase de testes, disponibilizando o acesso ao módulo de apoio portuário para a iniciativa privada experimentá-lo. Assim, as empresas podem enviar sugestões de melhorias. O diretor-geral da ANTAQ, Mário Povia, pediu que o setor regulado envie sugestões para que a agência incremente a ferramenta tecnológica. E destacou que o objetivo do SDN é conhecer o setor e não controlar preços.

É uma excelente iniciativa. Porém espera-se que, diferentemente do que o módulo atual utilizado para serviços de transporte e travessia, haja uma interface de integração que permita que as empresas possam sincronizar os seus dados sem a necessidade de alocar funcionários para fazer essa tarefa manualmente. Isso porque a automatização garante consistência das informações (uma vez que a operação manual permite falhas humanas), agilidade no processo e evita custos adicionais com mão-de-obra. Empresas como a T2S podem ajudar a empresas de navegação nesse processo.

Vamos aguardar as novidades e torcer! 




Ricardo Pupo Larguesa é engenheiro da computação e MBA em Gestão Empresarial com ênfase em Negócios Internacionais. Professor do ensino superior e sócio da T2S, desenvolvedora de sistemas de logística portuária, é apaixonado por Tecnologia e por Operações Portuárias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Port Community Systems será implementado no Brasil

Fique atento às mudanças do ADE 02

Indústria 4.0: entenda o conceito e as oportunidades que ela promove