Teste de Software: razões para realizá-lo


Por maior que seja o planejamento de um software e mais cuidadoso que seja seu desenvolvimento, erros podem acontecer. E, mais do que isso, outros problemas podem ser revelados após a finalização de um projeto. Tais como, por exemplo, não responder a todos os requisitos da maneira desejada ou ter 100% de suas funções trabalhando corretamente. Neste sentido, realizar teste de software pode se mostrar uma saída para validar o sistema.

Há quem imagine que essa é a última etapa na construção do projeto – já que o objetivo é conferir sua qualidade. Mas, na verdade a ideia é que o teste de software seja formado por diversas etapas aplicadas em momentos diferentes e também de formas variadas. Assim, é possível evitar problemas e grandes alterações no momento final e também depois do go live. 

Porém, estamos falando de algo que não recebe a devida atenção - seja para diminuir prazos ou baratear processos. Ou seja, nem todo mundo quer colocar o teste de software no projeto. O que é um erro em qualquer setor, mas pode ser ainda mais grave quando falamos de empresas do setor portuário - tendo em vista que o ambiente tem automação de equipamentos, integração com parceiros externos e fluxo logístico interativo com múltiplos atores, ou seja, vários fatores de complexidade.
"Os testes são importantíssimos, principalmente em um ambiente tão complexo e heterogêneo como o de um operador portuário, os testes precisam ser cuidadosamente empregados. E os resultados precisam ser documentados de maneira objetiva e concisa para não que se caia na armadilha da banalização dos testes. Para garantir isso, uma sugestão é que os resultados sejam pautados por números alinhados a indicadores e metas pré-estabelecidos no início do projeto", comenta Ricardo Larguesa, diretor da T2S.
Se acaso você está passando por essa situação, nós vamos te dar motivos para amar o teste de software. Dá uma olhada e nos diga se não vale a pena: 

Razões para realizar o teste de software 

1. Alinhar expectativas 

Às vezes o que o cliente espera é diferente do que está sendo produzido – seja por um erro de comunicação ou pelo fato do desejo não poder ser aplicado. Perceber isso no meio do processo irá evitar maiores dores de cabeça futuramente. 

2. Design vs. aplicação 

Testes a nível de código vão deixar mais barato e também mais rápido o processo de detectar problemas comportamentais e estruturais. Afinal, será necessário tornar o software testável, como consequência, questionar a implementação. 

Tipos de teste de software 

Além dos dois pontos levantados, os teste de software ainda garantem: melhora na manutenibilidade do sistema, dá mais segurança ao trabalho feito em equipe, assegura um sistema mais estável e encontra defeitos antes de seu uso. 

Para isso, é claro, existem diversas possibilidades de testes. Entre elas estão, por exemplo
  • Teste da caixa branca - avalia os componentes através do código fonte;
  • Teste da caixa preta - avalia os requisitos funcionais do sistema 
  • Teste de regressão - feito a cada versão/modificação; 
  • Teste de unidade - Testes isolados das funcionalidades; 
  • Testa de usabilidade - Teste feito com alguns usuários a fim de saber se o sistema responde às necessidades; 
  • Teste de stress - Quando o sistema é levado a sua potência máxima e confere como ele funcionará. 
Convencido de que o teste de software é necessário? Nós sabíamos que você ficaria. Mas, se tiver dúvidas é só falar coma galera da T2S – especialista em soluções de software para o setor portuário! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conteinerização de grãos: uma solução viável para portos brasileiros

Fique atento às mudanças do ADE 02

5 Tecnologias que aceleram os processos logísticos