Terminais portuários investem em parceria com integrador para inovar sistemas de operação

Empresa de TI já atuou em centenas de projetos em mais de 140 empresas de 11 estados do País, com foco em desenvolvimento de sistemas sob demanda


Divulgação

Responsável por controlar toda a movimentação e armazenamento de cargas em um terminal portuário, o Terminal Operating System (TOS) é um sistema fundamental da cadeia logística e responsável por toda a engrenagem de um terminal.


É um trabalho que demanda tempo, cuidado e por isso, exige profissionais de Tecnologia da Informação (TI) extremamente capacitados. Por ser uma área específica, poucas empresas tecnológicas são capazes de concluir a demanda com sucesso. Uma delas é a T2S  Tecnologia, que há quase duas décadas oferece suporte às implantações de TOS por meio de diferentes parcerias nacionais e internacionais.


Já atuou como integradora em oito trocas de sistema de sete terminais portuários do Brasil, incluindo os que estão localizados no Porto de Santos, maior da América Latina. A troca permite aos terminais maior facilidade e agilidade na integração de sistemas, assim como ganhos em performance operacional. 


Os terminais atendidos pela empresa passam por adaptação do sistema comprado pelo terminal, conforme a necessidade individual de cada um. Além das ações já concluídas, atualmente existem duas trocas de TOS em andamento. Ambas usam o sistema Opus, da sul-coreana CyberLogitec e contam com o auxílio da T2S. 


Entre as empresas está a Santos Brasil, que opera o Tecon Santos, o maior terminal de contêineres da América Latina e um dos três mais eficientes do País. A Companhia também é referência em logística integrada e operação portuária.

De acordo com a gerente-executiva de sistemas da Santos Brasil, Adriana Cristina Augusto, a expectativa para o novo sistema é grande. “O Opus foi escolhido pela Companhia pela facilidade de integração com novas tecnologias. A ideia é modernizar e unificar as operações de contêineres, deixando os terminais portuários da Santos Brasil prontos para atender o crescimento da demanda antes mesmo dela chegar”, comenta.


Adriana conta que outro ponto que chamou a atenção do terminal pelo sistema Opus foi as funcionalidades uniformizadas e acessíveis, que permitem que o sistema seja operado pelos cerca de 3 mil colaboradores que a empresa tem em todo o País.


Divulgação



“Com o alcance para integrar simultaneamente as operações de pátios, cais e gates, o Opus também abrange todos os processos de automação, além de permitir integração com diferentes tipos de equipamentos de remoção de contêineres”, explica.




A migração do sistema na Santos Brasil teve início em abril deste ano, nos Tecons Santos e Vila do Conde, no Pará. A gerente-executiva ressalta que, entre os benefícios, a nova tecnologia usa algoritmos que permitem a organização do pátio em um tempo mais curto, o que possibilitará maior controle da operação e incremento do padrão operacional, de ritmo e velocidade, por todo o tempo e a um custo menor. “A implantação é um salto para melhorar ainda mais o nível de serviço e a competitividade da Companhia, até porque nos oferece a oportunidade de alinhar os processos de negócios nos Tecons Santos e Vila do Conde, que antes eram atendidos por meio de sistemas distintos.”


Adriana Cristina conta ainda que aplicativos, como os coletores, trazem maior visibilidade da operação, garantindo maior segurança na execução das tarefas. “O algoritmo de planejamento de pátio e de navios possibilita a automação de tarefas que eram manuais. Já a nova interface, entre TOS e os sistemas internos da Santos Brasil, permite uma melhor performance e segurança na transmissão da informação”, conclui. 


Como funciona o TOS


Harry Netto

Para a implantação e adaptação desses sistemas é preciso planejamento para que a execução seja bem-sucedida, afinal, o processo demanda inúmeras etapas que devem ser elaboradas com cuidado e atenção. Envolve desde a entrada de um navio na região portuária, à carga e descarga do contêiner, além de todo o sistema operacional da companhia.


De acordo com um dos desenvolvedores da T2S, Rafael Teixeira, que acompanhou e atuou no último suporte e mudança do TOS em junho deste ano, a ação é de enorme responsabilidade. Uma dessas etapas é o Go Live, quando todas as operações do terminal são encerradas para a troca do sistema após meses de suporte. “É uma experiência única e que com certeza me ajudou a evoluir. É preciso manter a calma e o foco para resolver as adversidades encontradas e tranquilizar os envolvidos. O trabalho em equipe também é essencial e proporciona a resolução de múltiplos problemas.”


Teixeira diz que o momento mais difícil e cuidadoso do processo de implantação é o planejamento. Também ressalta que a comunicação é a chave para garantir a satisfação do cliente e atender o que foi pedido. “Definir os processos exige atenção, pois cada passo a ser tomado deve ser bem planejado. A comunicação da equipe com os usuários garante o alinhamento das expectativas.”


A sul-coreana CyberLogitec, que oferece o sistema operacional Opus Terminal já se tornou referência no mercado por oferecer um sistema voltado a terminais multifuncionais. A T2S tem acordo de cooperação com a CyberLogitec para a integração do Opus e é o principal parceiro para sua implantação no Brasil, fazendo as adaptações necessárias ao cliente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atualização do Navis N4: o que fazer?

Data de obrigatoriedade da API Módulo-Recintos fica indefinida

Guia eletrônica de movimentação de contêineres: como a informatização contribui para o transporte de cargas