Padronizar a troca de mensagens no setor portuário é possível?



O setor portuário é totalmente ligado ao comércio internacional, ou seja, mudanças tecnológicas que ocorrem em qualquer lugar do mundo impactam em seu funcionamento, já que novidades ou transformações têm influência direta e quase instantânea no cotidiano operacional de armazéns portuários e também de profissionais como despachantes aduaneiros, por exemplo. Neste cenário, um dos maiores desafios para o setor é a padronização da troca de mensagens. Uma vez que o uso de tecnologias que agilizam diversas operações é a cada dia mais comum e, para garantir bons resultados, elas precisam estar integradas. 

Tamanha é a importância deste tema, ele foi uma das pautas da TOC Americas 2018 – um dos principais eventos de portos e transportes do mundo. 

Na ocasião, o exemplo utilizado foi o do uso de guindastes. De acordo com o depoimento de diversos operadores portuários, se acaso em suas estruturas existirem dois equipamentos de fabricantes diferentes é impossível utilizar a mesma tecnologia nos dois, uma vez que existem sistemas independentes para cada um. 

E então nasce a discussão: como evitar conflitos e conseguir integrar sistemas? 

O desafio da padronização na troca de mensagens no setor portuário é exatamente esse. Mas, até o momento não há uma solução ou um caminho a ser trilhado. Como explica Ricardo Larguesa, diretor da T2S, houve na história inúmeras tentativas de padronizar a comunicação no setor portuário, mas as organizações sempre desenvolveram suas próprias soluções e isso dificulta essa padronização. Ainda segundo ele, nos últimos anos foi criada muita expectativa no blockchain, mas esta é uma tecnologia que estabelece forma e não conteúdo. 

“Ele [o blackchain] até pode tornar a comunicação entre os elos da cadeia mais seguro, mas não a padronizará. Creio que o maior desafio esteja na terminologia, muito específica e regionalizada. Há também grande heterogeneidade de estruturas de informação em função de questões regulamentais regionais dispersas e muito específicas, o que dificulta a generalização para uma comunicação global. 

Mas, e o EDI?

Talvez o título deste post e esse conteúdo tenha te trazido a seguinte dúvida: mas o EDI não é uma padronização na troca de mensagens no setor portuário? Calma, nós vamos te explicar. 

Em resumo, o EDI é uma troca eletrônica de informações que tem o objetivo de criar uma comunicação padronizada entre duas pontas, mesmo que elas tenham sistemas diferentes, afinal o que importa é que ambas sigam o padrão estabelecido. Mas os padrões criados pelo SMDG  não funcionam em todas as funções existentes no setor portuário - sendo mais popular entre armadores. Enquanto que a comunicação entre equipamentos, por exemplo, tende a ter seus próprios padrões. 

Em outras palavras: é possível que padronizar a troca de mensagens no setor portuário é um desafio grande e que o setor tem um longo caminho pela frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que um Portal de Serviços pode fazer por seus clientes?

Presença de carga: Como integrar com eficiência?

Contratar um desenvolvedor Full Stack ou Especialistas: O que é mais produtivo?